Notícias

  Publicado em 24 de Julho

ACI promove homenagens em três cidades pelos 187 anos da imprensa catarinense

Três grandes eventos em Laguna, Florianópolis e Chapecó, entre os dias 26 de julho e 4 de agosto, devem marcar as homenagens ao Dia da Imprensa Catarinense, que se comemora em 28 de julho.

 

A data celebra o surgimento do primeiro jornal de Santa Catarina, em 1831, fundado pelo lagunense Jerônimo Francisco Coelho (1806-1860).

 

As festividades dos 187 anos do início da imprensa no Estado são organizadas pela “Associação Catarinense de Imprensa (ACI) – Casa do Jornalista”, que também celebra seus 86 anos de fundação e os 50 anos da Casa do Jornalista.

 

A primeira edição de O Catharinense foi lançada em Desterro (hoje Florianópolis), quando Jerônimo Coelho tinha 25 anos. Hoje, restam alguns poucos exemplares do jornal, que estão na Fundação Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro e na Biblioteca Pública de Santa Catarina. Já a prensa usada para imprimi-los está no Museu Anita Garibaldi, em Laguna.

 

Além de jornalista, Jerônimo Coelho se destacou nacionalmente como militar e político. Antes de retornar a SC, foi presidente das províncias de Grão-Pará e Rio Grande do Sul. Exerceu, ao mesmo tempo, os cargos de ministro da Marinha e da Guerra de Dom Pedro II.

 

Em Santa Catarina, além de idealizar O Catharinense, criou um segundo jornal (O Expositor) e fundou a primeira loja maçônica do Estado. Por isso mesmo, além de ser um nome histórico da imprensa, é também patrono da maçonaria catarinense.

 

“É uma honra continuar reverenciando esse ilustre catarinense, que foi um homem público probo e deixou um legado muito importante para a imprensa, principalmente no que se refere à ética”, ressalta Ademir Arnon, presidente da ACI.

 

Agenda:

- Quinta-feira, 26 de julho - Laguna:

Homenagem a Jerônimo Coelhono centro histórico, às 10h, na praça que leva o nome do ilustre lagunense. No evento, discursará o ex-presidente da ACI jornalista Moacir Pereira. A coordenação é do diretor regional da ACI, Márcio Carneiro.

 

- Sexta-feira, 27 de julho - Florianópolis:

Acomemoração do Dia da Imprensa Catarinense será às 10h30min, na Praça XV, junto ao busto de Jerônimo Coelho. Na ocasião, falará o Presidente do Conselho Superior da ACI – Casa do Jornalista e Presidente da Academia Catarinense de Letras, Salomão Ribas Junior. A organização fica por conta da ACI, maçonaria catarinense, 14ª Brigada de Infantaria Motorizada do Exército, Instituto Histórico e Geográfico de SC e ACL.

 

- Sábado, 4 de agosto – Chapecó:

Será realizado o 11º Encontro da Imprensa Catarinense. Durante o almoço festivo, os jornalistas Luiz Carlos Prates e Alberto Gonçalves de Souza receberão homenagens por terem completado 50 anos de profissão e duas lideranças do associativismo brasileiro: José Zeferino Pedrozo, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC e Saul João Ravadoscki, presidente da Sicredi Região da Produção RS/SC. A organização é do diretor regional da ACI, Marcos Bedin.

 

 

O legado do patrono da imprensa catarinense*

 

Quase dois séculos após a fundação de O Catharinense, o legado jornalístico de Jerônimo Coelho ainda ecoa em Santa Catarina. Nascido na Vila Nossa Senhora dos Anjos de Laguna e conhecido como “Espada Falante”, tinha sempre presente a verdadeira missão do Jornalismo: a responsabilidade com a sociedade, para auxiliá-la em suas decisões, enriquecê-la culturalmente e colaborar com o fortalecimento da cidadania.

 

Nesse marco, ele sempre priorizou a defesa dos oprimidos. A liberdade de imprensa que ele defendia estava ligada ao atendimento dos mais necessitados.

 

Jerônimo Coelho chegou a Desterro, na época com apenas 6 mil habitantes, para proteger os humilhados, incluindo os escravos que viviam na cidade. Por isso, escreveu no primeiro número de O Catharinense:

 

“Prometo velar solícito da guarda da inocência: ela não terá mais de gemer em silêncio, e aqueles que a oprimam, terão de ser dados ao prelo (tipografia), para serem apontados como opressores da humanidade. Eles jamais poderão encarar a liberdade de imprensa sem horror porque, por meio dela, os seus crimes e suas tramas serão sempre expostos ao conhecimento dos povos.”

 

Para ele, a imprensa não devia se conformar em apenas noticiar fatos, mas também mostrar o caminho para a inclusão social. “Pelo seu intermédio vós podereis comunicar mutuamente vossos pensamentos e ideias, e desta arte as luzes se propagarão com rapidez e facilidade”, enfatizou.

O patrono da imprensa catarinense sempre priorizou a independência jornalística, evitando a armadilha de ser porta-voz dos poderosos. Preferiu a vida simples, sem luxos, para poder servir a sociedade com autonomia.

 

Como escreveu o almirante Henrique Boiteux, na biografia sobre o jornalista:

“Pobre nasceu; de mãos limpas viveu e com elas puras morreu. Viveu na honradez e probidade, uma vida sem fausto nem luxo. Acomodava-se às suas circunstâncias e a muitos que lhe estranhavam aquele modo de proceder, contentava-se em dizer: a minha pobreza é a minha riqueza”.

 

* Por Billy Culleton, diretor da ACI.

 

0 Comentários




Repita: « 619 0
*Seu e-mail não será publicado.
ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista - Voltar
Facebook - ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista Twitter - ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista RSS - ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista
Artigos
Confira nossos artigos: Veja mais artigos - ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista
Enquete

Nenhuma enquete no momento

Newsletter - ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista

Endereço

Av. Hercílio Luz, 639 – 9° andar
Sala 904/905 - Ed. Alpha Centauri
Centro – Florianópolis SC / 88020-000

Contatos

Fone/Fax: (48) 3222.2320
contato@casadojornalista.org
Copyright © 2012 Casa do Jornalista.
Desenvolvimento: Codde Comunicação Digital