Notícias

  Publicado em 15 de Janeiro

Curso online: técnicas e ferramentas digitais para reportagens investigativas

Texto publicado originalmente no site do Knight Center for Journalism in the Americas.

 

Reportagens investigativas levam tempo, preparação e recursos, mas, quando finalmente são publicadas, podem provocar a uma maior conscientização pública sobre um problema, mudar as políticas públicas ou até levar os corruptos à prisão. Com todas as mudanças que afetaram o jornalismo nas últimas décadas, há inúmeras maneiras de aprimorar a reportagem investigativa com colaboração, mídia social e jornalismo de dados.

 

Um novo curso online do Knight Center for Jornalismo in the Americas e quatro repórteres investigativos especializados trarão novatos e repórteres experientes através do processo investigativo, oferecendo dicas para acompanhar as mudanças nas tecnologias e práticas de relatórios. O curso online massivo aberto de quatro semanas (MOOC), “Jornalismo investigativo na Era Digital,” vai de 3 de fevereiro a 1º de março de 2020. As inscrições estão abertas.

Quatro instrutores especializados, com experiência em investigações transfronteiriças e multimídia para impresso, TV e documentários ministrarão o curso. Eles incluem Lise Olsen, repórter investigativa e editora do The Texas Observer; Alejandra Xanic, repórter ganhadora do Prêmio Pulitzer e co-fundadora do Quinto Elemento Lab na Cidade do México; Lee Zurik, jornalista premiado com o Emmy na Fox TV em Nova Orleans; e Denise Malan, diretora sênior de treinamento de Investigative Reporters & Editors e jornalista de dados.

“Todos temos experiência trabalhando em redações locais, em áreas metropolitanas e também em uma colaboração maior”, disse Olsen. “Poderemos dar às pessoas opções reais, realizando investigações hiper-locais, investigações complexas a longo prazo, investigações rápidas. Você realmente verá toda a gama de como fazer reportagens investigativas”.

Cada instrutor ensinará um módulo semanal específico para o curso.

Na primeira semana, Lise Olsen apresentará reportagens investigativas, desde a primeira ideia até experimentos altamente complexos. Ela mostrará por onde começar, explorará fontes e apresentará estudos de caso extraídos de sua própria experiência.

“Fiz as duas investigações rápidas de muito impacto em minha carreira (foi assim que comecei) e também fiz muitas investigações que foram muito complicadas, exigindo muitas habilidades organizacionais nos bastidores,” disse Olsen. “E eu vou falar individualmente, como começar, como organizar suas ideias, como expandi-las e aprofundar suas investigações. E vou falar sobre alguns exemplos que as pessoas acharão muito interessantes, de um serial killer a um congressista corrupto”.

Durante a segunda semana, Alejandra Xanic ajudará a transformar sua ideia em um plano de ação investigativo, esteja você fazendo isso sozinho ou como parte de uma colaboração. Ela o guiará pelas etapas de uma investigação e conversará sobre estudos de caso com base em sua experiência, incluindo a investigação binacional ganhadora do Prêmio Pulitzer de 2013, que mostrou como o Wal-mart violou as leis mexicanas.

“Poderemos dar às pessoas opções reais, realizando investigações hiper-locais”

Como Olsen explicou, Xanic possui experiência Quinto Elemento Lab, sem fins lucrativos, em ajudar jornalistas independentes de todos os níveis a investigar e colaborar, mesmo com um orçamento pequeno.

Para a terceira semana, Lee Zurik abordará a investigação em vídeo. Ele conduzirá os alunos através do prós e contras para a realização de entrevistas de confronto e mostrará oportunidades para os repórteres incorporarem mídias sociais e crowdsourcing para investigar a corrupção, obter informações e investigar rapidamente.

“Ele é realmente um líder nacional nos Estados Unidos no jornalismo de crowdsourcing, que ele realmente inovou muito fortemente primeiro após o furacão Katrina”, disse Olsen. “Você aprenderá sobre a interação com o público no jornalismo investigativo e também como ele usou o jornalismo de dados na TV. Ele também é mestre em usar as mídias sociais”.

E, finalmente, durante a quarta semana, Denise Malan ensinará ferramentas de jornalismo e visualização de dados para melhorar suas reportagens investigativas, incluindo software e habilidades para adicionar ao seu kit de ferramentas. Como parte disso, ela apresentará opções para o compartilhamento seguro de informações com fontes e parceiros de colaboração.

“Você aprenderá sobre a interação com o público no jornalismo investigativo”

“Os dados são uma fonte importante para os jornalistas incorporarem em seu processo de reportagem. Isso pode ajudar a contextualizar as histórias, mostrando o escopo de um problema, identificando exemplos para ilustrar um problema e descobrindo perguntas que ninguém mais está cobrindo,” afirmou Malan. “Os dados potencialmente podem ser usados ​​em tudo, desde histórias rápidas em um ritmo até projetos investigativos mais longos. É uma questão de adotar a mentalidade correta e aprender algumas ferramentas e conceitos básicos para começar”.

Os instrutores ministrarão o curso usando vídeos, apresentações multimídia, leituras, fóruns de discussão e testes. Os estudantes não precisam ter experiência com reportagens investigativas, mas sim o “interesse e desejo” de fazê-las, bem como a vontade de “elevar seu trabalho a um nível superior”, explicou Olsen.

 Jornalismo investigativo na Era Digital,” vai de 3 de fevereiro a 1º de março de 2020

Para repórteres investigativos com mais experiência, Olsen disse que o curso ajudará com estratégias para lidar com histórias com fontes inacessíveis ou difíceis. Os instrutores também abordarão como organizar e proteger os dados, além de adicionar jornalismo de dados ao seu portfólio de investigação. Por fim, eles falarão sobre ferramentas para colaboração. “Eles poderão se engajar no nível deles”, explicou Olsen. “Você pode interagir com os elementos do curso que mais lhe interessam e que são mais úteis para você”.

“Os dados potencialmente podem ser usados ​​em tudo, desde histórias rápidas em um ritmo até projetos investigativos mais longos”

Além da motivação, a única coisa que os alunos precisam para participar é o acesso a uma conexão com a Internet e um navegador da web. O curso online é assíncrono, o que significa que não há datas e horários definidos para participar. No entanto, existem prazos semanais sugeridos para que os alunos não fiquem para trás.

O curso online é gratuito, graças a uma doação generosa da Fundação John S. e James L. Knight, que ajudou o Centro Knight a oferecer treinamento em jornalismo para jornalistas de todo o mundo. No entanto, os alunos que concluem com êxito os requisitos do curso têm a opção de pagar uma taxa administrativa de US$ 30 para receber um certificado de conclusão em formato PDF. Nenhum crédito formal da faculdade está associado ao certificado.

 

0 Comentários




Repita: « 38681045
*Seu e-mail não será publicado.
ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista - Voltar
Facebook - ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista Twitter - ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista RSS - ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista
Artigos
Confira nossos artigos: Veja mais artigos - ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista
Enquete

Nenhuma enquete no momento

Newsletter - ACI - Associação Catarinense de Imprensa - Casa do Jornalista

Endereço

Rua Rui Barbosa, 621
Bairro Agronômica – Florianópolis / 88025-301

Contatos

Fone/Fax: (48) 3222.2320
contato@casadojornalista.org
Copyright © 2012 Casa do Jornalista.
Desenvolvimento: Codde Comunicação Digital